Aprendizagem socioemocional e acolhimento na escola

Acolhimento, aprendizagem socioemocional e empatia na escola durante a pandemia do Covid-19

A aprendizagem socioemocional como aliada para superar o momento de crise sanitária desencadeada pelo covid-19 no contexto escolar

Queridos educadores, durante a pandemia provocada pela Covid-19 o entendimento a respeito da necessidade de investir no acolhimento, na aprendizagem socioemocional e na empatia se torna mais importante que nunca.

Representação artística da Inteligência Emocional - Ícone mostra contorno do perfil de uma pessoa com o de senho de um cérebro com um coração dentro

O contexto de pandemia pode ser encarado como uma fase de frustrações, angústias e medos, no entanto a escola pode ser um espaço para trabalhar positivamente essa situação, em uma jornada pedagógica.

A empatia e o acolhimento, além de indispensáveis neste momento coletivo, são estratégias pedagógicas centrais para a construção do Projeto de Vida dos estudantes, a integração com as famílias e o cumprimento da BNCC.

Levando isso em consideração, neste artigo trouxemos para você conteúdos sobre aprendizagem socioemocional e como promover a escuta empática na comunidade escolar, envolvendo uma maior integração com as famílias e os próprios alunos.

O desafio da escola

Os desafios da escola durante a crise em saúde envolvem adaptar-se ao uso de tecnologias para o ensino remoto e, somando-se a isso, atender às exigências e expectativas das famílias quanto às questões de escolaridade.

Como se não bastasse, a situação potencializa também problemas de saúde mental, tanto dos adolescentes, quanto das famílias e toda comunidade escolar (educadores, gestores, colaboradores).

Em maio de 2020 ocorreu o evento online “Acolhimento e empatia na escola: roda de conversa”, tendo como mediador Gilber Machado e convidadas Érika Canal e Juliana Merij. Confira acima.

Mais do que nunca é evidente a necessidade de desenvolver a inteligência emocional, pois a aprendizagem em si depende do emocional, do afetivo e da saúde mental.

Não há ensino sem saúde mental dos educadores, assim como não há aprendizagem sem saúde mental dos alunos. “

Readaptação da escola

A psicopedagoga Juliana Merij, que atua na educação desde 1987, pontua que as escolas devem formular um plano de ação coletivo para mais uma readaptação escolar.

É preciso que ocorra a inclusão de uma avaliação diagnóstica para compreensão do contexto e das perdas, para além dos conteúdos curriculares.

Ao contrário do início da pandemia, em que as escolas brasileiras tiveram que mudar sua forma de existir e educar muito rapidamente, o tempo agora está a favor ao se tratar de uma nova reestruturação.

A ideia deve ser de priorizar espaços qualificados de acolhimento, de escuta neutra, sem viés.

A relação entre a escola e a família

É preciso mais do que nunca, de colaboração, os grupos de acolhimento também se mostram importantes nesse sentido.

Surge a oportunidade de estabelecer vínculos e impactar positivamente as famílias e neste momento de proximidade aos familiares, a escola deve ouvi-los e incluí-los.

Em meio a tantas incertezas, ansiedades e angústias, é importante que a escola oriente os responsáveis a serem mediadores das atividades escolares remotas.

Com a nova oportunidade de participação das famílias nas atividades remotas, elas avaliam mais a qualidade do trabalho dos profissionais da escola como um todo.

Os pais estão valorizando a escola como agente de formação além do letramento, acreditando no seu potencial para desenvolver o socioemocional dos alunos.

A escuta em grupo traz pontos de convergência importantes em que são compartilhadas as fragilidades emocionais do coletivo e estratégias de enfrentamento de problemas.

Roteiro para guiar a resposta educacional à Pandemia

Os jovens continuam os mesmos durante a crise?

Não é preciso que os jovens passem e ou sintam que passam por esta crise sozinhos, e por isso a necessidade de investir no acolhimento pela escola e pela família.

Os sentimentos são compartilhados por todos: os alunos do Ensino Fundamental entram em desânimo, enquanto os do Médio desenvolvem problemas de ansiedade.

Neste momento, questões como a autonomia e responsabilidade dos estudantes vem a tona, porém em situações como estas, não é ideal que se pressione por tanta produtividade.

Não estar apto a realizar tudo conforme sempre o fez é mais do que o esperado.

A realidade que se vive na crise é completamente diferente do normal, logo os parâmetros de exigência não podem ser os mesmos.

Os erros devem ser valorizados como parte do processo de aprendizado.

Quando investir na aprendizagem socioemocional?

No contexto da crise, temos como chance um referencial concreto para trabalhar e desenvolver a aprendizagem socioemocional das crianças e jovens.

Por estarem em pleno desenvolvimento, os jovens possuem uma plasticidade cerebral ainda maior que adultos, facilitando a apreensão do conhecimento.

Por consequência, é preciso ter em mente que quanto mais cedo se trabalha a necessidade de desenvolver o socioemocional, mais efetiva é a sua absorção e aprendizagem.

O desenvolvimento socioemocional é o tipo de aprendizagem que é muito mais rico quando acontece por meio da valorização das vivências e do lidar com as emoções reais.

Logo, educar indivíduos emocionalmente responsivos é algo a ser feito desde cedo.

Empatia e aprendizagem socioemocional pela BNCC

A proposta é pensar de maneira intencional na transformação da crise em uma oportunidade de desenvolvimento da cultura empática na escola.

Abaixo, listamos 3 competências gerais da BNCC legitimam a aprendizagem socioemocional e estão intimamente ligadas a esse contexto:

Empatia e Cooperação

Exercitar a empatia, o diálogo, a resolução de conflitos e a cooperação, fazendo-se respeitar e promovendo o respeito ao outro e aos direitos humanos, com acolhimento e valorização da diversidade de indivíduos e de grupos sociais

Autoconhecimento e autocuidado

Conhecer-se, apreciar-se e cuidar de sua saúde física e emocional, compreendendo-se na diversidade humana e reconhecendo suas emoções e as dos outros, com autocrítica e capacidade para lidar com elas

Projeto de Vida

Valorizar a diversidade de saberes e vivências culturais e apropriar-se de conhecimentos e experiências que lhe possibilitem entender as relações e fazer escolhas alinhadas ao exercício da cidadania e ao seu projeto de vida

Ações para a Escola: Agenda Positiva

Em períodos de crises como estes, em que a escola está sujeita a incertezas e decisões fora de seu controle, o foco deve estar no que é de fato possível ser realizado e controlado.

Ter uma agenda é sinônimo de ter temas trabalhados de diversas formas e o objetivo é faça sentido do ponto de vista pedagógico e circunstancial.

O desafio de formar esta agenda é pensar como os meios remotos de contato podem funcionar para, de fato, valorizar a aprendizagem que ocorre neste momento histórico de crise.

Isso é algo que deve ser trabalhado amplamente com toda a comunidade escolar e mais do que isso, neste exercício é importante considerar a diversidade dos atores envolvidos, cultivando assim a empatia na prática.

Os temas sugeridos para essa Agenda convergem entre estratégias para lidar com a crise, as competências obrigatórias da BNCC e teorias psicológicas consagradas, como a Big Five – ou 5 fatores de personalidade.

Os formatos sugeridos de como trabalhar as temáticas também levam em consideração o que se faz possível com o contato remoto.

Temas

  • Amabilidade: base para empatia e escuta empática;
  • Autogestão: organização, disciplina, persistência, plano de estudos e rotina, autonomia;
  • Engajamento: ações sociais, protagonismo, consciência social, cidadania e “sair da bolha”.
  • Resiliência emocional: reconhecer e identificar emoções, aprender a lidar com elas, autorregulação, tolerância a frustrações e estresse, ansiedade e culpa;
  • Abertura ao novo: adaptabilidade, conviver com imprevisibilidades, criatividade;
  • Projeto de vida: reflexões pessoais sobre os próprios sonhos e o futuro, autoconsciência, autoconhecimento, autocuidado.

Formatos

  • Grupos de acolhimento: comunicação com as famílias em grupos de WhatsApp ou outro canal,.
  • Plataformas digitais: programa de Projeto de Vida da KUAU;
  • Encontros online: lives, rodas de conversa ou oficinas;
  • Reuniões individuais: com aqueles que precisam de maior acompanhamento (educação especial e infantil, principalmente);
  • Conteúdos orientativos: vídeos, podcasts, guias, e-books, áudios com exemplos sobre como lidar com a situação de crise santária.

Escola, Empatia, Aprendizagem socioemocional e Pandemia

“Precisamos de seres humanos fortes, resistentes, que consigam enfrentar crises sem se quebrar. Ele vai sofrer (…), mas não vai quebrar”, afirma Erica Canal, no evento online sobre acolhimento e empatia na escola.

Não existe mágica para desenvolver uma cultura empática na escola, mas o acolhimento deve ser o ponto de partida.

Da mesma forma, não há receita pronta de como desenvolver a aprendizagem socioemocional, mas existem ingredientes essenciais, sendo a empatia um deles.

Desenvolvendo habilidades socioemocionais na educação durante a crise da pandemia Covid-19, a comunidade escolar poderá superar essa fase da forma menos penosa possível, enquanto desenvolve alunos autônomos, produtivos e solidários.

Inscreva-se em nossa newsletter




5 comments

  1. Carlos

    Quando leio no texto “os alunos do Ensino Fundamental estão desanimados, enquanto os do Médio, super ansiosos“. Lembro-me que foi exatamente essa a minha realidade. E hoje compreendo que falta muito essa empatia por parte de alguns educadores.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *